A internet é uma maravilha, não sei se já mencionei. De início, tudo é permitido, e pouco se pode fazer para impedir que idéias controversas se propaguem. O que é bom, os líderes morais normalmente têm a péssima mania de abafar opiniões contrárias ao status quo que podem muito bem ser benéficas para a Humanidade. Devido à essa relativa imunidade contra a censura e sufocamento de opiniões, a internet é um palco de debates cheio de idéias de múltiplos graus de interesse e utilidade.

Eu, normalmente, me abstenho de denunciar qualquer tipo de opinião baseado apenas em princípios morais. Só porque eu acredito que algo é errado, não significa que o seja. Isso é incrivelmente válido para questões religiosas. Em poucas palavras, eu não discuto religião, e evito insultar a religião dos outros, sobretudo quando a discussão é spobre dogmas e outros aspectos menos passíveis de prova e contestação concreta. Cada qual com sua moral...

Mas, como tudo na vida, tem um limite.

Quando a religião começa a penetrar em campos onde definitivamente não é bem-vinda, é preciso dar um chega pra lá. E agora é onde eu dou a minha voadora – e leve-se em conta que voadora de toupeira obesa não é nada, digamos, sutil – no nosso querido alvo da semana: Pastor Moisés.

Eu tenho minhas dúvidas se o sujeito é de verdade. Sinceramente, eu não me espantaria se, daqui a uma semana, o Cardoso publicasse um texto explicando que, na verdade, ele era o Padre Moisés. O sujeito é simplesmente... caricato. Como todo bom e estereotípico pastor evangélico, ele é extremamente contrário a toda e qualquer manifestação de rebeldia, sobretudo rock n roll. O fato de que ele acredita que música clássica é "satanista" chega a ser hilário. O estudo completo de álbums da banda Metallica, então... Mas aí a coisa começa a ficar séria.

Existem várias tênues linhas entre o deboche e a babaquice, e nada mais babaca do que debochar tentando ser sério. A afirmação do senhor Moisés de que "hoje em dia um homem usar cabelo grande é sinal que quer ser mulher, assim como o uso de brincos, é homosexualismo explícito" chega a ser ridícula, no mal sentido. Pra constar, eu considero um ato de homossexualismo cortejar um outro homem e posteriormente realizar intercurso sexual com ele. Ou, em termos leigos, dar a bunda. Isso no caso masculino, mas voltemos. Eu sou conservador, vocês sabem, ainda não me adaptei a essa história de "miguxos", sequer acho que tatuagens sejam uma boa idéia, mas até eu tenho limites.

E, claro, lembra quando eu falei que a religião deveria ficar fora de certos assuntos onde não é chamada? Deleite-se:

O Governo ao invés de gastar dinheiro para prender os bandidos por aí ou arrumar recursos para aparelhar os hospitais apenas armam uma operação de mentira no qual pinga gotas inócuas na boca das crianças e diz que assim elas estarão saudáveis sem doença. Ótimo, então que eles fechem todos os hospitais públicos e fiquem curando o povo com essas gotas já que são tão milagrosas, é muita canalhice dessa corja que brinca com a saúde da população. Eu simplesmente não levei criança nenhuma para vacinar, eles que fiquem pensando que vão mandar nos meus filhos, eles não vão servir de cobaias para as experiências científicas deles. Jesus e seus 12 apóstolos nunca tomaram uma vacina que seja e todos chegaram ao fim da vida sem paralisia

É por isso que eu tenho medo dessa pessoa. O movimento anti-vacinação não é mentira, assim como o movimento ludita não o foi. Tem gente que acredita que vacinas causam autismo. "Causam"! Isso é perigoso, sobretudo vindo da boca – ou dos dedos – de um líder influente. Eu sei lá se o senhor Moisés é influente seja lá onde pregue, mas ele é pastor, líder religioso, e esse tipo de opinião completamente contrária a décadas de desenvolvimento científico é ridícula e desnecessária.

Mas a porcaria da liberdade de expressão existe, felizmente. É uma faca de dois gumes: ela impede que suas opiniões sejam silenciadas puramente porque desagradam a alguém, mas também permite que pessoas que definitivamente carecem de uma instrução decente continuem defecando pela boca por aí. Mas se não podemos censurar, podemos denunciar. Podemos contestar. Podemos mandar o digníssimo Pastor enfiar sua retórica em locais onde o sol não bate(espero).

E, só pra terminar com um clima agradável, dêem uma olhada na postagem inaugural do sujeito:

Resolvi abrir este espaço de resistência contra o movimento da nova era que vem ganhando corpo na sociedade moderna. Como achei que minhas intervenções no programa Orkut não estavam bastando veiu-me a idéia de compilar meus apelos através desse sistema de e-mails coletivos que recebe o nome de Blog
Ateus, esquerdistas, feministas, bruxos e demais seres nefastos podem começar a correr

Sério, o sujeito tá querendo levar pedrada!