No ano passado, vocês viram algo que nunca imaginariam. Algo que desafiava as leis do universo conhecido e da ficção estabelecida. Porque, em torno de agosto do ano que já se foi a Turma da Mônica cresceu!

Oh, o horror! O horror!

Entre gritos de heresia e acusações de venda para o lado politicamente correto da força de todos os cantos da internet contra o venerável Maurício, este blog se manteve neutro e frio. Korso Asclepius, nosso avantajado correspondente oficial de arte, cultura e assuntos afrescalhados afins, deu seu veredito: não é nada demais. Vão caçar algo melhor pra fazer além de clamar "meu mundo caiu, mimimi, não é a mesma coisa então é óbvio que fede!" Sim, amigos, isto não é nada. A turma convencional coexiste com sua versão "herege" e o mundo ainda gira em torno do sol, e não o contrário. A ordem natural das coisas se manteve...

Ou será que não?!

TCHAN TCHAN TCHAAAAAAN!!!

Amigos, algo aconteceu. A perturbação do espaço-tempo contínuo que esta bizarra transformação alternativa na querida Turma da Mônica causou se propagou para áreas nunca antes exploradas, e então, algum ser de inspiração definitivamente anormal nos presenteia com...

Não! Não! Tudo menos isso!

..."Luluzinha Teen". Perdoai-os, eles não sabem o que fazem...

Falando sério, esta coisa que eu vi em uma livraria de rodoviária me deixou intrigado por razões completamente diferentes. Veja bem, eu andei lendo Turma da Mônica nos últimos anos, e levando em conta a estranha caracterização dos personagens como pré-adolescentes de 6 anos e várias ameaças promessas do Maurício de Sousa em relação a botar a turma na escola de uma vez, a coisa Jovem não é de todo absurda. Aliás, o sr. de Sousa poderia ter simplesmente trazido a Turma pra Minas, onde criança entra na escola aos 6 anos! Hein? Hein? ...tá, eu confesso, meu cérebro fritou. Vamos em frente...

Luluzinha nunca teve um tom adolescente. Aliás, "clube do Bolinha" é a expressão mais "moleque de grupo" que eu conheço. Não tem razão plausível pra essa turma em particular crescer, ainda mais que faz um tempo que eu não vejo revista da Lulu(e a última vez foi numa sala de espera, junto com algumas revistas do Pererê e um bando de Pato Donalds talvez mais antigos que Guaraná em garrafa de vidro). E o pior é que os personagens não se parecem quase nada com os originais, fora nesta altamente irônica edição da "Festa Anos 50". O que, aliás, me deixa com uma cara ainda mais estupefata de "uau, quão bizarro é isso?"

Será que isso é uma tendência? Espero que não. Não tanto pelos personagens crescidos, isso é até legal, mas pelo reviver das cinzas mais que desnecessário e ainda por cima surfando em cima do hype alheio. Isso é mau, gente, e traz um mau nome aos spinoffs. Desse jeito não vamos conseguir lançar "Toupeiras Modernas & Token Teen" sem um monte de gente nos acusando de imitação dessa onda de personagens jovens e descolados...

Aqui é Token O. Jones, se despedindo e alarmando: mais uma dessas e corremos risco do LHC realmente destruir o Universo...

(PS.: Ah, como eu adoraria ter uma ilustração a mais nesse post... se alguém se candidata a desenhar a tela de abertura de "Toupeiras Modernas & Token Teen", favor mandem pra gente por email. Ganha até link, se quiser! ;D )