Há algo em torno de um ano atrás eu vi uma coisa horrível na internet. Certo, sejamos menos vagos: foi um forte conflito entre um blogueiro, Manuel Netto, o autor do "Manual de Sobrevivência em São Paulo, e a administração de um restaurante, o Rancho da Traíra. No link você vê claramente o primeiro comentário da resenha, um texto insípido, longo e impessoal em legalês intimando o autor da resenha. Pelo visto não deu em nada, e, como o evento ocorreu em Maio do ano passado, eu resolvi deixar quieto ao invés de comentar a total falta de tato dos donos do estabelecimento.

Eis que agora surge de novo uma doce confusão entre um tal "Boteco São Bento" e o blog Resenha em 6, tudo por culpa de uma resenha do dito cujo. O resultado foi que o Resenha em 6 está sendo intimado a retirar posts, comentários e twitter em 24 horas. Mas antes de pegar minha marreta de estimação – carinhosamente apelidada de "Razão" – deixe-me fazer claro: não conheço o bar, não sei se a qualidade do serviço é tão ruim, e nunca tomei Chopp Sol. Independe, para os fins deste texto, parte de um movimento maior, a qualidade do bar em si. A questão é a reação estúpida e desnecessária.

Se você é profissional ou aspirante a profissional da área de gerência e marketing, entenda uma coisa: tentar censurar seus críticos não vai melhorar sua imagem. Censura é o tipo de coisa que ditadores fazem, e eu estou pra ver um ditador que seja amado pelo seu povo depois de seu governo findo. Sério, mesmo, com críticas você tem poucas opções. Você pode prestar atenção e melhorar; pode ignorar, sobretudo se for uma crítica falsa; pode contra-atacar, mas isso não costuma ter resultados; mas censurar é o tipo de atitude que só vai piorar sua situação. E, só pra piorar as coisas, internautas são seres gregários, temos um certo senso de dever para com a classe. Daí este nosso pequeno movimento de aporrinhação em resposta.

Então, caros colegas leitores, para sua apreciação, o texto original, na íntegra, que corre o risco de ser excluído:

Imagem original do post

Depois da Faixa de Gaza e do Acre, este é o pior lugar do mundo para você ir com os amigos. Caro, petiscos sem graça e, principalmente, garçons ultra-power-mega chatos: você toma dois dedos do seu chopp, quente e azedo que nem xoxota nos tempos dos vikings, eles já colocam outro na mesa. E se você recusa, eles ainda ficam putos. Só tulipadas diárias no rabo para justificar tamanha simpatia no atendimento.

  • Fui no da Vila Madalena. Dizem que o do Itaim é ainda pior.
  • Para dicas de botecos que valem a pena, leia outras resenhas aqui
  • Siga o Resenha pelo Twitter antes que eu bote outro link na mesa.

Resenhado por Raphael Quatrocci às 23:22

Parabéns, pessoal do São Bento, vocês criaram um monstro. Espero que estejam orgulhosos.

Aqui é Töpo Talpos, e aguardo minha notificação.