Do momento em que estou escrevendo – e planejo terminar – este texto, já faz mais de 15 dias que não publico coisa alguma. Em termos de escrever, não escrevo um texto completo para este blog já há mais tempo, pelo menos 20 dias. A última vez que me conectei à internet foi há uns 5 dias ou coisa assim. Descobri que meu Ubuntu entra em kernel panic quando conectado, por razões que desconheço – suspeito do Kopete –, mas isso não importa. O que importa é que meus leitores merecem satisfação. Mesmo que meus fãs neguem, acho que faz parte do meu dever como escritor de um meio de publicação teoricamente frequente. Então lá vai.

Letargia de férias. Tecnicamente eu poderia terminar o texto aqui, mas creio que perderia uns três leitores só nisso, então vou falar um pouquinho de como vão essas férias letárgicas.

Pra começar, passei pelo menos 70% de todo Janeiro no Sítio Santa Clara, também conhecido como "o sítio do meu pai"(ou o oposto, o sítio não tem nem placa). O sinal mais próximo de "civilização" são as luzes de Campolide – distrito de Antônio Carlos, perto de Barbacena – no horizonte à noite. Embora seja tecnologicamente bem equipada, até – a casa foi comprada com duas televisões –, conexão à internet é impensável, visto que a casa não tem sequer telefone. Além disso, passei a maior parte dos meus dias fazendo principalmente quatro coisas: dormindo, lendo, usufruindo deste meu querido novo laptop, e trabalhando. Já tenho até um calo pra contar a história. Mas fica pra próxima...

No momento da escrita deste texto, entrementes, estou em Matozinhos, em algum lugar perto de Belo Horizonte, mais especificamente na casa de minha querida Aline. Infelizmente ela não tem conexão banda larga, e eu não vou cometer a total falta de tato que seria usar a conexão discada dela – que nem sei se ela ainda tem, aliás. Logo, sem internet...

Enfim, estive longe da internet por um longo tempo, o que é uma boa desculpa para esquecer que ela existe e relaxar um pouco. Estou até fazendo um bom progresso com o Sloth – lembram, engine pra jogos, meu projeto maluco pessoal, etcetera, etcetera? –, e até fazendo alguns desenhos. Bons desenhos aliás. E aproveitei pra assistir Cosmos, que eu já estava com os DVDs já faz quase meio ano sem passar do segundo capítulo. Claro que isso vai acabar em Fevereiro, quando eu voltar pra BH e voltar a trabalhar e começar a auto escola. E sim, eu ainda não sei dirigir, que dirá ter carteira. Tenho horror a carro, acho que já comentei...

Então vocês já sabem que, mais uma vez, cedi a meus instintos talpídeos de me cavar mais fundo no inverno – ou, nesse caso, nas férias – pra voltar só quando a minha comida voltar à superfície – ou, novamente, nesse caso, a conexão À internet. Só posso prometer que voltaremos algum dia. E escreveremos. Até lá, e eu vou voltar pra minha metafórica toca...