Todo jogador com um mínimo de experiência, sobretudo se tiver um gênero de jogo favorito, sabe que existem algumas coisas que funcionam e outras que não, em matéria de mecânica de jogo. Coisas que funcionam perduram, mesmo sob alguns protestos, e coisas que não funcionam... bem, aparentemente elas perduram também.

Por exemplo, existe o conceito básico de "desafio de plataforma", que é um leve viés do gênero puzzle no meio de um jogo de plataforma. É aquela situação em que você tem que pular de plataforma em plataforma na ordem/hora certa para chegar de um lugar a outro. E às vezes voltar, também. Enfim, esse tipo de coisa fica muito bem em jogos de plataforma 2D e 3D igualmente. Se você já jogou algum Super Mario deve ter experimentado isso. Só que tem uma exceção ao caso...

Se você alguma vez na sua vida já pulou, seja de um lugar alto para outro, ou de um lugar alto para o chão, ou como seja, você deve ter experimentado a normal sensação de ter consciência exata de onde estão suas mãos e pés, de foram que você possa aterrissar com sucesso, ou seja, não se espatifar pateticamente no chão. Entretanto, a última coisa que você tem num jogo de primeira pessoa é a sensação de onde está o seu corpo. Tudo o que você tem é uma visão, mas ela não pode, digamos, mudar para você ver a que altura você se encontra e se você está realmente caindo na plataforma ou indo direto para o chão. E isso é horrível. Se você já jogou Metroid Prime, já sentiu isso.

Agora, numa estranha reviravolta contra todos os conceitos de bom senso – aparentemente, designers de jogos fazem muito isso –, fizeram um jogo de parkour em primeira pessoa. Agora pense comigo, se já é desconfortável e complicado simplesmente pular de um lugar a outro sem ter noção dos próprios pés, como será isso? A resposta:

Link para o vídeo aqui. Veja bem, o jogo é... nauseante. E além disso, não parece haver nenhuma forma de visualizar seu corpo em relação ao resto do ambiente, ou seja, você tem que confiar que você não está indo de canela em direção a um degrau ou coisa assim.

Minha opinião sincera? Não rola. Pelo menos pra mim, um jogo assim teria que ser em terceira pessoa. Além da impossibilidade de fazer manobras arriscadas sem ter uma noção de espaço, qual a graça de fazer parkour sem ver o que você está fazendo? Você consegue imaginar um Tony Hawk's Pro Skater em primeira pessoa? Eu não.

Sinceramente, apóio totalmente a inovação. Mas isso já está fugindo aos limites do bom senso...